terça-feira, 23 de dezembro de 2008

desejos natalícios e 9 votos para 2009

em primeiro lugar (no campeonato), desejo um feliz natal a todos os leitores, comentadores, coladoradores, amigos e amigas - Benfiquistas e não só - que fazem o favor de ler este blogue nos mais variados cantos:
suiça
r.a.e. macau
r.a.e. hong kong
china
hong kong
marrocos
reino unido
guam
portugal
estados unidos
canadá
brasil
espanha
frança
bélgica...

depois, e porque será a minha última posta de 2008, os votos de que 2009 seja um ano em grande!
agora os meus 9 desejos, com pendor mais clubístico, arbitrariamente ordenados, para 2009:
1. um estádio cheio em todos os jogos que faltam até ao final do campeonato - é sinal de que estamos no bom caminho;
2. um defesa-direito e um médio ofensivo que faça as vezes do Aimar;
3. que os árbitros não nos beneficiem, mas que também não nos vilipendiem como aconteceu ontem e em vários jogos esta época;
4. que o Quim recupere e que volte a ser decisivo;
5. que o Quique se mantenha até ao final do campeonato;
6. que o campeonato seja conquistado antes da última jornada. pela amostra, teremos dificuldades em contornar os obstáculos (roubos?) colocados pelas arbitragens;
7. que o Suazo seja mais vezes decisivo;
8. que o Yebda volte a ser o jogador que já foi e que o Reyes recupere depressa;
9 . que todos os desejos acima se concretizem mas, se nenhum deles for possível, que o Sport Lisboa e Benfica seja campeão.

com saudações gloriosas, despeço-me com amizade e agradecido pelas vossas visitas, paciência e comentários simpáticos.

já começa a dar nas vistas

o que vi aos repelões na justintv?
pouco. o Benfica, atabalhoado. com poucas ideias. faltam ideias. falta alguém que pense o jogo. falta rapidez.
não percebo como é que o Aimar aquece e não entra. sentou-se no banco depois de alguns minutos em exercícios atrás da baliza e Quique fez avançar Urretaviscaíndo quando já antes tinha metido em campo o nosso Capitão.
era importante ganhar esta partida. muito importante. o meu corpo, ou a mente que nestas coisas é a mente que comanda o corpo, transportou-se para a antiga Catedral e esteve os últimos minutos a tremer por todos os lados. isso acontecia quando as bancadas não tinham cadeiras, nos jogos de inverno. o cimento, frio, e o nervoso, grande e dos grandes jogos, não me permitiam controlar os tremeliques.
tivemos já dois empates estúpidos em casa. 4 pontos que nos dariam uma vantagem apreciável.
hoje, mais do que tudo, só nos podemos queixar do que não fizemos, é certo. mas ninguém me tira da cabeça que o major, perdão, tenente-coronel henriques, sportinguista confesso, nos tirou dois pontos. digo isto porque vi. e, caso não tivesse visto, até o joaquim rita conseguiu - a custo, é certo - dizer que o golo do Cardozo é limpo como a água do luso (acrescento eu).
srs. árbitros, já começa a dar nas vistas. amarelos inexistentes. golos anulados. tudo parece normal até certo ponto. agora basta! ontem vi dois penalties poupados ao nosso mais directo concorrente. hoje vi um penalty sobre o nosso Capitão e um roubo, não de igreja, como gostam de dizer os nossos adversários, mas de Catedral.
quatro vitórias e dois empates fora de casa. 3 vitórias e três empates em casa e liderança nesta altura sabe a pouco. ficámos pela primeira vez em branco.
resta esperar pelo resto do campeonato mas, pela amostra, vamos ter de lutar contra tudo e contra todos e até contra o exército, não é sr. tenente-coronel henriques?

p.s. - veio o referido militar, depois do jogo, dizer o seguinte: "Não vou discutir se foi intencional ou deliberado, porque a intencionalidade foi retirada da lei.".
vamos então ver o que dizem as regras da international board association que podem ser retiradas aqui:

"A direct free kick - sr. tc henriques, eu poupo-lhe a tradução, quer dizer "pontapé livre directo" - is also awarded to the opposing team if a player commits any of the following three offences:
em bom português, meu tc, quer dizer: também é concedido à equipa contrária se um jogador cometer alguma das três acções seguintes:
• holds an opponent - agarrar um adversário;
• spits at an opponent - cuspir num adversário;
• handles the ball deliberately (except for the goalkeeper within his own penalty area) - agora muita atenção, sr. sportinguista: agarrar a mão deliberadamente (excepto no caso do guarda-redes dentro da sua grande área). ora o Miguel Vítor não é guarda-redes nem estava na sua área.

vou repetir, senhor badamerda:
• handles the ball deliberately (except for the goalkeeper within his own penalty area) - agora muita atenção, sr. sportinguista: agarrar a mão deliberadamente (excepto no caso do guarda-redes dentro da sua grande área);
já percebeu. humm, ainda não? aqui fica em bold, digo a negro, não vá o senhor ter dificuldade em perceber:
• handles the ball deliberately (except for the goalkeeper within his own penalty area) - agora muita atenção, sr. sportinguista: agarrar a mão deliberadamente (excepto no caso do guarda-redes dentro da sua grande área).
bem sei que já estou fora de Portugal há algum tempo, mas continuo a escrever - mal ou bem - em português. deliberadamente significa com intencionalidade, de forma deliberada.

num segundo, sr. pedro henriques, tenho aqui 3 problemas e 1 conclusão:

problemas:
1. ou você não sabe as regras?
2. ou, deliberadamente, eu repito, deliberadamente tentou sonegar uma vitória ao Benfica para favorecer quem lhe paga ou o clube do seu coração?
3. ou não sabe o que quer dizer deliberadamente e mentiu aos portugueses quando disse que a intencionalidade tinha sido retirada da lei?

conclusão:
qualquer que seja a resposta, o meu tc henriques não pode apitar mais nenhum jogo de futebol da liga profissional. olhe, apite o da primeira contra a segunda companhia e vá até ao iraque como o seu colega capitão ferreira.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

campeão de quê?

há umas semanas concordei com o dias ferreira. bom, não foi bem com ele mas com o que disse no programa de debate mais visto da televisão.
podia ter sido por causa da ligação que tem a um grande Amigo Benfiquista. mas não. nada disso.
dizia o exmo. senhor, entre o normal ódio destilado ao Sport Lisboa e Benfica, que achava ridículo que os jornaleiros começassem a chamar ao Benfica campeão de inverno.
eu também acho. não ganhámos nada. estamos em primeiro, vamos passar o ano em primeiro (com 1, 2 ou 4 pontos de vantagem) mas, até ver, isso não dá um título no palmarés, ou a entrada na liga dos campeões. será bom ganhar hoje. eu diria, essencial levar de vencido o nosso opositor. confesso que, mais uma vez arreliado com as insónias que me têm apoquentado, vi o jogo do fcp até ao fim. e confesso que fiquei (muito) contente com o resultado, como se disso dependesse a vitória e o título que mais queremos: o de campeão da liga sagres.
e, bem vistas as coisas, depende.
mas, para que isso aconteça, temos de vencer o nacional que é osso duro de roer.
por tudo isso, tenho pena de não estar em portugal nesta quadra para visitar aquela que também é a minha Casa.
lanço assim, desde o oriente, que se apresenta com temperatura amena para a época, um apelo: compareçam hoje na Catedral e ajudem-nos na caminhada para o título de primavera. o único que podemos almejar e aquele que é mais apetecível!
é que sempre preferi sagres a carlsberg!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

traumatismo ucraniano

mantive-me estoicamente acordado até à hora do jogo. como? a jogar psp. sem o nervoso das quartas-feiras (sim, para mim ainda tem este nome) europeias, eram 3:45, e estava o tiger woods a fazer um birdie que lhe deu a vitória num daqueles torneios virtuais em que se ganha uma pipa de massa também ela virtual.
pensei: azar ao jogo, sorte ao amor. e, de repente, liguei a antena 1 em cadeia com a rádio macau.
o amor, claro está, é ao Benfica. sim, ontem, mais do que tudo jogava-se por amor. à camisola, ao historial, aos títulos conquistados. enfim, era tudo menos um jogo. seria uma boa oportunidade para que os menos utilizados demonstrassem que o que se passou com os turcos e os gregos foi por acaso e que realmente valemos mais do que aquelas patéticas derrotas. puro erro. o amor a uma causa é assim. cego.
voltando ao momento em que liguei o rádio, consegui ouvir o urretaviscaíndo a falhar um golo incrível. aí, tive um traumatismo que adormeceu a parte do cérebro que ainda funciona e que me impediu de ouvir o resto do desafio. ainda bem.
sobretudo a partir do jogo com o sportém, estive alguns meses sem as arreliadoras dores de cabeça,. mas, nos últimos dias, elas voltaram. não sei se há causa-efeito entre os maus resultados do Benfica e esta cefaleia incomodativa. vou esperar por segunda-feira para confirmar se o melhor é deixar de amar desta forma cega e doentia.
já agora, e em tempo de natal, aqui vai o meu pedido ao menino Jesus: uma vitória convincente frente aos funchaleiros, com um golo do jogador, quem marcou foi o jogador...

preocupação a duas horas do jogo

a duas horas do jogo, estou preocupado. é que no outro jogo um empate é difícil.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

8, número 8


em mandarim a fonética do número 8 (八,捌) é semelhante a prosperidade ou riqueza.

em cantonês ou cantonense, como preferirem, passa-se o mesmo.

quando se juntam dois oitos "88", significa dupla felicidade.

há quem pague fortunas por um número de telefone com muitos oitos.

na China há alguns anos, hoje, um oito a zero, apesar de impossível, dar-me-ia dupla felicidade, ainda para mais se no outro jogo do grupo os gregos empatassem com os alemães.

é impossível? é. mas pode acontecer? pode. é provável? não. mas ainda há esperança? quase nenhuma...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

sinto-me des...


desanimado
desapontado
desatinado
desfalcado
desintegrado
desarreigado
desarrebitado
desarticulado
desarmonizado
desapurado
desaquecido
desarado
desapaixonado
desgostoso
descostado
desquicado
desaproximado
desreyesado
desaprumado
desaquinhoado
desarmado
desasado
desassenhoreado
desassisado
desaurido
desbagado
descardozado
desastrado...

e por aí fora.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

só este Senhor para me animar (RAP)

"A chama imensa
Benfica TV lidera audiências (em minha casa)
Por

ricardo araújo pereira

NA semana em que o Benfica deu 6 a uma equipa da primeira divisão, o Porto não conseguiu dar mais de 4 a uma da terceira. Começam a ser cansativas estas constantes demonstrações de superioridade. Já agora, se me permitem, gostaria de fazer uma referência muito terna ao speaker que animava o público no estádio do Marítimo, e que, antes do início do jogo, fez por galvanizar os presentes com a divertida referência: «Vamos apostar no número 5, que é um número de que o Benfica não gosta». Como se viu, teria sido mais ajuizado apostar no número 6. O Benfica proporciona situações mesmo giras.

Até a nossa eliminação da Taça de Portugal, sendo embora desagradável, tem marca de campeão. Não só contribui para aumentar a nossa concentração no campeonato como faz ver à TVI que não se brinca com o Benfica. Se é isto que pagam por cada transmissão mais vale ficar em casa. Desta vez boicotámos a flash-interview. Na próxima eliminatória boicotamos o jogo inteiro. Vamos, aliás, boicotá-los todos até à final. Nesta edição da Taça não aparecemos mais, a ver se eles aprendem. E assim, sem termos perdido um único jogo, saímos da Taça com a dignidade dos invictos e ainda ensinamos uma bonita lição a quem tem a desfaçatez de ser forreta tão perto do Natal. Ou muito me engano ou José Eduardo Moniz, na noite da consoada, vai receber uma visitinha do Fantasma do Natal Passado.

Oprincipal facto desportivo da semana que passou é, contudo, o início das emissões regulares da Benfica TV. Como é apropriado, uma vez que lideramos o campeonato, também o nosso canal é líder de audiências — pelo menos em minha casa. Desde que a Benfica TV começou a transmitir 24 horas por dia nunca mais liguei para outro canal. Está sempre qualquer coisa interessante a dar, seja uma entrevista de fundo a um futebolista dos juvenis, seja uma reportagem sobre os mais recentes êxitos do râguebi, seja uma opinião avulsa obtida junto de um adepto que, apesar de estar razoavelmente ébrio, consegue ainda assim proferir palavras de uma sensatez assinalável.

Durante a noite, pelo sim pelo não, deixo a televisão ligada e programo o despertador para acordar de hora a hora, para me certificar que não estou a perder notícias urgentes. Por isso, a Benfica TV é, neste momento, um dos móveis da minha sala. E é, sem dúvida nenhuma, o mais útil.

Pinto da Costa disse que nem toda a gente ficou contente com a vitória do Porto na Liga dos Campeões e, por muito raro que isso possa ser, a afirmação corresponde à verdade. Eu, por exemplo, não fiquei contente. Não gosto de ver crianças a chorar e o facto é que aquela equipa de juvenis do Arsenal abandonou o estádio do Dragão desolada."

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

JLP

"6-0, 1º lugar
Com uma febre danada e umas dores de cabeça pesadonas como pianos de cauda largados pela janela, só este assunto me arrastaria para a página. Falo, claro, do primeiro lugar do Benfica. E também, já agora, da goleada histórica que demos à equipa de Alberto João Jardim. Uma jornada para emoldurar como inspiração permanente.
Quanto ao primeiro lugar, é o nosso lugar natural, pois, o único em que o Benfica se assemelha a si mesmo. Mas a verdade é que andamos longe dessa “casa própria” há uns tempos, de modo que é normal um certo festejo. Com os pés na terra, mas também sem poupar nas alegrias. Não se trata de xingar os clubes que sofrem lá para baixo na tabela, é só que a tradução benfiquista do dito santoagostiniano, “Homem, torna-te aquilo que és”, merece festança e crónicas exclamativas!
Na Madeira Suazo arrasou. Com aquele estilo de passos certos, nenhum gasto de energia desnecessário, nenhum floreado estapafúrdio, o nosso hondurenho arrasa supermuito. Um jogador à antiga, um cromo sépia, elevação e frases secas, olé. Começou por furar o nulo tenebroso com que começam todas as partidas, fugindo sem medo, tocando a bola ao de leve com a chuteira pensativa – só conseguiram pará-lo com uma ilegalidade. Penálti, tcha-nã. No momento solene da marcação, Reyes morde o lábio, sorri. E a dúvida em grande plano: quem vai levar a melhor, o nervosismo ou a malandragem do craque? Plim, golo – a bola na sombra interior do poste, o cúmulo da pontaria.
Depois é sempre a subir. Nem dá para escrever tudo. Seis golos davam para vários livros, livrões duplos, triplos, à moda russa. Mas não resisto a recontar um pouco mais da Saga de Suazo. (Perdoem-me só uma ligeira interrupção para tomar um remédio antifebres e repetir o resultado histórico: seis-zero, 6-0, seis batatas sem resposta.) Mas, Suazo, dizia. O homem é um astro dos que sabe manter a lucidez da gente normal, boa onda, e isso não há dinheiro que pague. Sim: havemos de ser campeões com suazos destes. A leveza quase distraída com que ele voa para cabecear aquele novo golo! A sabedoria com que ele chuta aquele chuto oblíquo que põe a bola lá no lugar dela, a baliza adversária, onde ela quer viver para sempre.

(no JN de hoje)" ou aqui.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Suazelência

Suazelência
apresento-lhe os meus melhores, mais respeitosos e felizes cumprimentos.
não fiquei contente com o falhanço nos momentos iniciais e, depois, com os outros que Suazelência teve no resto do jogo.
penso mesmo que Suazelência deveria ter saído com um poker do estádio dos barreiros. o resultado ficaria 0-8, que, por acaso, é o que precisamos para passar à fase seguinte da uefa. era uma espécie de ensaio geral para que não dissessem que comprámos os ucranianos.
mas, apesar de tudo, o golo que Suazelência marcou já na segunda parte, deixou-me estarrecido. sem palavras. vergo-me perante a imponência de um monumento ao futebol que só no fifa09 consigo marcar.
está assim desculpado do que fez a um seu servo que, madrugada alta de um dia feriado (já era dia 8 aqui na terra e é feriado como na terra que o acolheu), sofreu naqueles primeiros minutos.
sofreu com o seu falhanço como sofreu com o penalty marcado pelo melhor jogador em campo, também ele majestade, de nome Reyes. aquilo é para parar o coração destroçado pelos últimos resultados!
obrigado às honduras por terem um Rei assim e obrigado ao Benfica por proporcionar momentos como o desta madrugada...

ao contrário do paulo bento, não gosto de falar de arbitragens. no entanto, houve um tal de dias que depois de não ter outra alternativa que não fosse expulsar o guardaneta (estou a gostar muito do sabor castelhano do Glorioso) do club sport marítimo, começou a distribuir cartões à razão da fruta que Sua Majestade, Reyes, apanhava dos maritimistas. o do Ruben é perfeitamente patético e anedótico. como é possível mostrar-se um cartão a um jogador que estava apenas ao pé de um outro que se lesionou sozinho ao pontapear a relva? já na segunda parte, o auxiliar, bandeirinha, para não lhe chamar outro nome, ainda tentou que o tal do dias expulsasse Sua Majestade, Reyes. não conseguiu. deve haver muita azia ali para os lados de s. dias do coroado.

no final, quando já eram 5:15, tive uma sensação de dever cumprido - ter ficado acordado para ver um bom Benfica que goleou à antiga - e um bom prenúncio para um feriado descansado. é que desde que tinha menos 1 ano que o Benfica não ganhava fora de casa por mais de 5. a última grande goleada (0-5?) que me lembro - fora de casa, claro está - (ando com pouca memória) foi uma ao união da madeira na época, salvo erro, de 93-94, onde um dos marcadores foi o ailton...

last but not the least os jornaleiros passaram o fim-de-semana todo a dizer que o terceiro e o quinto classificados estavam a pressionar o Glorioso. o Glorioso respondeu à campeão, digo eu, ou pelo menos à primeiro classificado na liga sagres.

para a semana é a festa da taça. depois daquele golo já no canto do cisne no estádio do mar para o campeonato, temos de mostrar quem é realmente a melhor equipa.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

prato da semana

tem piada e não ofende...
o prato da semana: pato à peQUIM

prognóstico para a última jornada



o adepto esqueceu-se de dizer que os outros dois têm de empatar...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

a excepção da regra

ao contrário do que tem sido regra em quase todos os jogos desta época, e apesar da transmissão televisiva na rtpi - i.e., sem as paragens do justintv - esta madrugada não vi o jogo.
ainda programei 4:15 no despertador. ainda acordei. ainda pensei o que penso várias vezes quando o maldito do blackberry começa a zurrar: "só mais 15 minutos e já acordo", na esperança de que o Benfica mantivesse, como manteve, a regra de não marcar na primeira parte quando joga na Luz. em regra, este "só mais 15 minutos" é algo que, quase sempre, dura muitos quartos-de-hora. mas não. nada. não acordei.
talvez seja ainda a ressaca de ter estado até às 6 da manhã a ouvir a tragédia grega. ou então por não acreditar genuinamente nesta equipa. bem, eu quero acreditar, mas jogos como o de ontem levam a parte pequena do meu cérebro que funciona a ver o fantasma do engenheiro e do camacho que aparece nos piores pesadelos. e lá se foi a oportunidade de estarmos na frente à décima jornada que, segundo um presidente arguido de um clube do norte, e como tem sido regra, normalmente significa ser campeão em maio. como não há regra sem excepção, tenho fé que vamos ganhar. o problema é que a regra tem sido não ganhar e que o quim está a tornar-se num caso sério de uma regra que oferece golos...
para a semana, jogo muito difícil no estádio dos barreiros. oxalá, nessa altura, esteja a escrever algo diferente... para contrariar as regras.